google-site-verification: google5518efc0d93fea89.html
https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=193955005097401183#pageelements

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Felicíssimo 2011


Na verdade não mudamos nada em nossa personalidade de hoje para amanhã, só porque estaremos iniciando outro ano.
Não mudamos.
Mas temos planos.
Não temos planos somente porque se inicia um novo ano. Mas temos planos sempre. E se não os temos, há algo de errado.
Queremos sempre evoluir, crescer e aprender. Esta é a lei natural da evolução do homem.
Eu espero que você tenha muitas alegrias, muitos desafios pra superar e evoluir, muito sucesso, amor, paz, amizades verdadeiras, uma família maravilhosa e muita saúde.
Que sejamos em 2011 e sempre cada vez melhores e que possamos todos alcançar nossos objetivos.
E que façamos realmente por merecer atingí-los.
Mas que principalmente possamos aprender como "viver o agora", porque muitas vezes perdemos nosso foco porque pensamos demais no passado e visualizamos desnecessários problemas no futuro. O "agora" é o que nos faz sentir realmente vivos e com energia para tudo.
Abaixo segue minha receita de todo ano, que me ajuda muito a atingir meus objetivos sempre. Espero que leia e que possa ajudar você a atingir os seus.
Beijos e sorrisos a todos.
Dora Machado


A lista de desejos é um exercício mental super importante. Normalmente, para quem não tem este hábito, causa alguns sustos, pois é nela onde você vai escrever o que quer para o próximo ano. E é exatamente aí que pode provocar sustos :-)
Este exercício de escrever o que se quer no papel é um exercício de reflexão, certamente. E muitas pessoas, com a correria do dia-a-dia, não param para escrever o que querem. Aliás, muitas delas não sabem exatamente o que querem para hoje, quem dirá para um próximo ano inteirinho.
Bem... aí vao algumas dicas minhas, que sempre funcionam pra mim. Faço minha lista há mais de dez anos e acho que ela está cada vez mais focada e especial. Espero que funcione pra você:
1. Compre um caderno (mais abaixo explicarei como ele será útil durante o ano). Pode ser um caderno simples. Eu normalmente vou pela capa. Gosto da capa, compro o caderno. Ele será algo que irá usar muito (espero) durante o próximo ano. Melhor que se afeiçoe com ele :-)
2. Separe um momento que esteja só. Sem interrupções. Isto é importante para sua concentração. Programe aproximadamente duas horas sem interrupções. Pode ser suficiente. Pode ser que precise de mais tempo depois. Não importa. Mas faça sem pressa.
3. Escreva na primeira página quem você é. Pode usar meia página, uma página ou mais. Não importa. Escreva seu nome, sua data de nascimento, o que gosta, como aparenta ser, como se sente no momento. Não importa. Escreva sobre você. Não se assuste se esta fase o perturbar um pouco: muitas pessoas não falam muito de si. Mas lembre que este espaço é seu. É pra ser confidencial. Escreva o que quiser. Encante-se com você próprio neste momento.
4. Escreva no topo da próxima página um título, como por exemplo: Saúde.
5. Pule umas duas páginas e escreva o próximo título, como por exemplo: Família.
6. E daí por diante: nesta fase, apenas os títulos, como por exemplo: Amor, Trabalho, Prosperidade, Moradia etc. O que você quiser.
7. Agora, comece a escrever nelas. Não importa a ordem. Mas vá até os títulos e deseje. Deseje tudo mesmo. Escreva o que quer em relação a cada assunto.
8. Releia. Se estiver cansado, separe mais um momento único seu para isto. Pode ser um outro dia, mas importante que seja antes do dia 31 de dezembro. Ou pelo menos, antes da meia noite :-)
9. Na virada do ano, lembre do seu caderno. Mentalize o tanto de coisas que desejou por escrito e "deseje". Importante mentalizar.
10. Sempre, durante o ano, que se desviar do foco, pensando em desânimos, dissabores ou tristezas, releia sua lista de desejos.
11. E sempre, pelo menos uma vez por semana, releia seus objetivos, independente de seu estado de espírito. É importante você estar definitivamente familiarizado com seus desejos e ir percebendo se está se desviando deles ou se aproximando. Importante reler para voltar ao foco, no caso de ter saído um pouquinho. E se você lê sua lista uma vez por semana, ainda há tempo suficiente para corrigir as rotas.
12. Perceba o quanto eles estão acontecendo. E isto é necessário. Assim como é necessário cada desejo que está lá naquele caderno.
13. Torça sempre e foque seus desejos.
14. Se quiser alterar a rota durante o ano? Você pode tudo. Mas concentre-se em querer atingir seus objetivos sempre. Durante cada segundo, minuto, dia do ano.
15. Você certamente vai gostar de ver como os seus desejos vão se realizando.
16. No final do ano, antes de comprar o próximo caderno e escrever a lista do próximo ano, releia todos os desejos do ano que está acabando e dê uma nota de 0 a 5 para cada um deles: sobre como cada desejo foi atingido ou não. Reflita um pouco, tanto para os que aconteceram e ganharam nota "5", como para os que receberam nota menor. Isto irá ajudá-lo a escrever os próximos e refletir também sobre os pequenos desvios e os porquês de não ter atingido alguns integralmente.
17. Normalmente, os que levam nota menor do que 5 são aqueles que, por um motivo ou por outro, tiveram seu foco desviado. Aí... só você mesmo pra saber e entender os porquês. Talvez seja uma pequena sabotagem inconsciente sua, talvez tenha tido a ver com algum fator externo: não sei.
18. O importante é continuar com foco. Hoje e sempre !
19. Feliz Ano Novo. E que seus desejos se realizem !

domingo, 24 de outubro de 2010

Receita da Dona Cacilda


Recebi o texto abaixo de meu amigo muito precioso, Ralph. Achei que parece comigo. Vale a pena ler. Boa leitura e beijos e sorrisos pra todos voces, meus blogueiros assiduos.

Dona Cacilda é uma senhora de 92 anos, miúda,
e tão elegante, que todo dia às 08 da manhã ela já está toda vestida, bem penteada e discretamente maquiada, apesar de sua pouca visão.

E hoje ela se mudou para uma casa de repouso: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra solução.

Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela
ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto. Enquanto ela manobrava o andador em direção ao elevador, dei uma descrição do seu minúsculo quartinho, inclusive das cortinas floridas que enfeitavam a janela.

Ela me interrompeu com o entusiasmo de uma garotinha que acabou de ganhar um filhote de cachorrinho.

- Ah, eu adoro essas cortinas...
- Dona Cacilda, a senhora ainda nem viu seu quarto... Espera um pouco...
- Isto não tem nada a ver, ela respondeu, felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como a mobília vai estar arrumada... Vai depender de como eu preparo minha expectativa.

E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo todo dia quando acordo.

Sabe, eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem...
Ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem.

- Simples assim?
- Nem tanto; isto é para quem tem autocontrole e exigiu de mim um certo 'treino' pelos anos a fora, mas é bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em conseqüência, os sentimentos.

Calmamente ela continuou:
- Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidades na sua Conta de Lembranças. E, aliás, obrigada por este seu depósito no meu Banco de lembranças. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica.

Depois me pediu para anotar:
COMO MANTER-SE JOVEM

1. Deixe fora os números que não são essenciais. Isto inclui a idade,o peso e a altura.
Deixe que os médicos se preocupem com isso.

2. Mantenha só os amigos divertidos. Os depressivos puxam para baixo.
(Lembre-se disto se for um desses depressivos!)

3. Aprenda sempre:
Aprenda mais sobre computadores, artes, jardinagem, o que quer que seja. Não deixe que o cérebro se torne preguiçoso.

'Uma mente preguiçosa é oficina do Alemão.' E o nome do Alemão é Alzheimer!

4. Aprecie mais as pequenas coisas

5.. Ria muitas vezes, durante muito tempo e alto. Ria até lhe faltar o ar.
E se tiver um amigo que o faça rir, passe muito e muito tempo com ele /ela!

6. Quando as lágrimas aparecerem
Aguente, sofra e ultrapasse.
A única pessoa que fica conosco toda a nossa vida somos nós próprios.
VIVA enquanto estiver vivo.

7. Rodeie-se das coisas que ama:
Quer seja a família, animais, plantas, hobbies, o que quer que seja.
O seu lar é o seu refugio.

8. Tome cuidado com a sua saúde:
Se é boa, mantenha-a.
Se é instável, melhore-a.
Se não consegue melhora-la , procure ajuda.

9. Não faça viagens de culpa. Faça uma viagem ao centro comercial, até a um país diferente, mas NÃO para onde haja culpa

10. Diga às pessoas que ama que as ama a cada oportunidade.


"De nada vale a pena se não tocarmos o coração das pessoas."

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Crenças



Há quem acredite em nada. Há quem acredite que não existe nada, nenhum Deus. Outro dia ouvi, acho que foi Paulo Coelho, que a pessoa que tem mais fé é justamente aquela que se diz "ateu". E realmente: haja fé para acreditar que não existe nada além.


Eu respeito todas. Todas as crenças, todas as religiões. Acho que qualquer mestre ascencionado que faça você sentir-se bem é válido e absolutamente real.


Se a pessoa acredita em Buda ou Jesus ou Saint Germain ou Mago Merlin, não importa. O que importa além dos deuses e deusas é justamente a fé. A fé na vida e na humanidade. A fé pela Paz no mundo e principalmente, como um grande começo, a paz interior.


A evolução da espécie é inquestionável. O homem macaco já não existe mais, porém, antagonicamente, os homens ou estão se humanizando a cada dia, ou estão se animalizando mais e mais com guerras e violências sem nexo.


Acredito sim na paz.


E acredito em tudo o que tem no meu altar: Jesus, meu mago, minhas flores, os cheiros e os cristais. Não importa o que eu creia, mas sim para onde vou.


E hoje quero ir construindo o mundo melhor, a cada dia. Ideologia: eu quero uma pra viver, já dizia o sábio Cazuza.


Santo? Nem tanto. Mas lembrado até os dias de hoje por fazer de sua doença um grito de alerta para a humanidade, principalmente nacional.


Agora sabemos que os hemisférios esquerdo e direito têm que preferencialmente ter o mesmo sentido nos cérebros de nossas vidas. E isto é fé. Isto é Deus. Isto é o que se desejar, contanto que seja para o bem.


Há quem faça o mal? Infelizmente a balança está desbalanceada, mas há quem faça o bem. E como há.


Hoje estou feliz. E perguntam-me os amigos como posso? Apesar da doença e das consequências dela. Estou feliz mesmo.


E o ser humano é assim. Agradece-se por estar feliz. E no dia seguinte a gente recomeça. Com anseios, alegrias, tristezas e expectativas.


As minhas vão crescendo mais e mais.


E quero realmente que elas cresçam. Vou dormir agora. Meditar um pouco antes.


Outro caminho, aliás, de encontrar com os meus deuses e minhas crenças.


Enfim... cada um tem a sua.


segunda-feira, 28 de junho de 2010

Nossos papéis


Temos vários papéis na vida: o do lado pessoal, social, o de mãe, ou o de pai, ou de filho ou filha, o profissional, o esportivo, o da família, o com os amigos, o filantrópico, entre outros.


A cada dia vestimos um papel, ou melhor, a cada momento ou a cada dada situação, usamos um de nossos personagens e desempenhamos o "melhor" papel.


Algumas vezes confundimos os papéis. Outras vezes queremos fazer o papel dos outros. Ou por pro-atividade, impulsividade, ansiedade ou outras coisas. Mas o que importa é que cada um tem seus papéis e coisas simples realmente nos mostram que não precisamos exercer os papéis do outro. Até porque já temos muitos deles para desempenhar e evoluir.


Estava indo para Porto Alegre semana passada num vôo daquela empresa que só tem uma barrinha de cereal pra você comer. Mas isto é um caso à parte.


Eu adoro ler e, mesmo em solo, antes de a aeronave decolar, já estava com a luz de leitura de minha poltrona acesa para facilitar minha leitura. Vale aqui lembrar, caro leitor, que descobri facilmente que depois dos 40 anos sua visão começa a ter lapsos de embaçamento. E algo que melhora drasticamente sua visão é a iluminação. Com ela, fica muito mais fácil ler.


Bem... eu no corredor, um cara no meio já dormindo e uma moça na janela, lendo no escuro.


Eu ia esticar meu braço para acender a luz de leitura dela, quando pensei: "Este não é meu trabalho. Tem alguém que irá fazer isto pra ela. Relaxa, Dora. Mania que você tem de se envolver!"


Pois é... passados menos de dez segundos, veio a aeromoça, fazendo exatamente o que eu havia previsto. É o papel dela. Trabalhar ali em prol do conforto das pessoas.
Enfim... simples este exemplo, mas eu percebi que preciso ajudar "sim" a quem precisa de ajuda, mas uma lâmpada não é nada relevante perto do que posso fazer em meus papéis.


Dedicar tempo meu a fazer algo que é papel do outro, mesmo que seja simples, não me acrescenta nada. Muito pelo contrário. Toma meu tempo e "pode" tirar meu foco dos meus objetivos e tarefas.


Mas no dia-a-dia quando vejo alguém na zona de conforto, faço de tudo para movimentá-lo e tirá-lo de lá. Mas isto já é um outro papel.


Bjus

Dora


segunda-feira, 21 de junho de 2010

10 hábitos saudáveis para se viver até os 100 anos!


Pessoal

gostei muito do texto abaixo.

Eu que sempre falo que vou viver 100 anos com saúde, seguem as dicas.

O link do site é




Bjus

Dora


1. Não se aposente. “Evidências provam que nas sociedades onde as pessoas param repentinamente de trabalhar, há uma explosão da incidência de obesidade e doenças crônicas depois da aposentadoria,” disse Luigi Ferrucci, diretor do Estudo Longitudinal Baltimore sobre Envelhecimento. A região de Chianti na Itália, com alta porcentagem de centenários, tem uma visão diferente do tempo de folga. Depois que se afastam de seus empregos, eles gastam a maior parte do dia trabalhando em seus sítios, cultivando uvas e vegetais. Eles nunca são realmente inativos. Cultivar não é prá você? Seja voluntário em Creches, Escolas, Asilos, ou junte-se a um grupo de voluntários e participe de projetos comunitários.
2. Use fio dental diariamente. Isso pode ajudar a manter suas artérias saudáveis. Um estudo da Universidade de Nova Iorque em 2008 mostrou que usar o fio dental diariamente reduziu na saliva a quantidade de bactérias causadoras de doenças. Essas bactérias entram na corrente sanguínea e começam uma inflamação nas artérias, maior fator de risco para doenças do coração. Outra pesquisa mostrou que, os que tem altas quantidades de bactérias em sua boca, tem mais probabilidade de entupir suas artérias, outro sinal de doenças cardíacas. “Eu realmente penso que as pessoas deveriam usar o fio dental duas vezes ao dia para conseguir os benefícios de maior expectativa de vida,” enfatiza Perls.
3. Mexa-se. “O exercício é a única fonte real da juventude que existe,” afirma Jay Olshansky, um professor de Medicina e pesquisador do envelhecimento na Universidade de Illinois-Chicago. “É como o óleo para o seu carro. Você não tem que usá-lo, mas seu carro definitivamente correrá melhor.” Grande quantidade de pesquisas tem documentado os benefícios do exercício para melhorar seu humor, acuidade mental, equilíbrio, massa muscular, e os ossos. “E os benefícios começam imediatamente após seu primeiro dia de atividade física,” acrescenta Olshansky. Não se preocupe se você não for um ‘rato’ de Academia. Aqueles que recebem os maiores benefícios são os que saem do comodismo e simplesmente caminham na vizinhança ou pela quadra, 30 minutos por dia. Fortalecer os músculos com treinamento de resistência também é ideal, mas exercícios leves e constantes podem dar a você efeitos similares de força e resistência mesmo sem fazer levantamento de peso.
4. Coma cereais ricos em fibra no desjejum. Servir-se de grãos integrais, especialmente pela manhã, parece ajudar os de mais idade a manter estáveis os níveis de açúcar no sangue por todo o dia, conforme um recente estudo dirigido por Ferrucci. Diz ele que “aqueles que fazem isso tem uma baixa incidência de diabetes, um conhecido acelerador da velhice”.
5. Feche os olhos durante 6 horas pelo menos. Em vez de dormir menos para ganhar mais horas de atividades por dia, durma mais para acrescentar anos à sua vida. “Dormir é uma das mais importantes funções que seu corpo usa para regular e curar as células,” afirma Ferrucci. “O mínimo de sono que os mais velhos necessitam para conseguir as fases REM curativas é aproximadamente de 6 horas.” Aqueles que alcançam a marca de um século de vida colocam o sono como prioridade máxima.
6. Consuma alimentos integrais, não suplementos. Fortes evidências sugerem que as pessoas com altos níveis no sangue de certos nutrientes – selênio, beta-caroteno, vitaminas C e E – vivem mais e melhor e tem baixo índice de declínio cognitivo. Infelizmente não há evidência que tomar comprimidos com esses nutrientes provê os mesmos benefícios anti-idade. “Há mais de 200 carotenóides, e 200 flavonóides diferentes num único tomate,” destaca Ferrucci, “e essas substâncias químicas tem interações complexas que nutrem a saúde; além do Licopeno e a Vitamina C”. Evite alimentos brancos pobres em nutrientes (pães, farinha, arroz branco e açúcar) e aproveite-se de todas as frutas coloridas, vegetais, cereais e pães integrais, com todo seu “exército” de nutrientes escondidos neles.
7. Seja menos neurótico. Pode funcionar para Woody Allen, que mistura suas preocupações com uma saudável dose de humor, mas o resto de nós neuróticos podemos querer encontrar uma nova maneira de lidar com o stress. “Temos um novo estudo que mostra que os centenários tendem a não internalizar coisas ou enfatizar seus problemas,” diz Perls. “Eles são fortes e flexíveis ao lidar com as adversidades.” Se essa característica inata é difícil de conquistar, encontre outros meios de lidar com o stress. Experimente essas dicas: faça exercícios, meditação, ou apenas respire fundo por alguns momentos. Roer as unhas, mascar chicletes em frente à TV, cair na bebida? Isso tudo é péssimo para a sua saúde.
8. Viva como um Adventista do Sétimo Dia. Os americanos que definem a si mesmos como Adventistas do Sétimo Dia tem uma expectativa média de vida de 89 anos; uma década a mais do que a média nos Estados Unidos. Uma das doutrinas básicas dos Adventistas é que, é importante cuidar do nosso corpo porque pertence a Deus. Isso quer dizer não fumar, não usar bebidas alcoólicas, e não abusar dos doces. Os Adventistas típicos seguem uma dieta vegetariana baseada em frutas, legumes, feijões e nozes; e praticam bastante exercício. Eles também valorizam muito a família e a comunidade.
9. Seja uma criatura de hábitos. Centenários tendem a viver em rotinas rígidas, diz Olshansky, comendo o mesmo tipo de dieta e fazendo as mesmas atividades por toda a vida. Dormir e despertar, nos mesmos horários cada dia é outro bom hábito que mantém seu corpo em constante equilíbrio; mas que pode ser facilmente rompido com o passar dos anos. “Sua fisiologia fica mais frágil quando envelhece,” explica Ferrucci, “e fica mais difícil seu corpo recuperar-se se você, perder algumas horas de sono numa noite ou beber muito álcool. Isso pode debilitar suas defesas imunológicas deixando-o mais susceptível a gripe e infecções bacterianas.
10. Fique conectado. Manter contatos sociais regulares com amigos e familiares é a chave para evitar a depressão. Isto pode levar a morte prematura, fato que é mais comum entre viúvos e viúvas. Alguns psicólogos acreditam que um dos maiores benefícios que os de idade avançada obtêm do exercício são as fortes interações sociais desenvolvidas ao caminhar com um amigo ou participar de exercícios em grupo. Tendo uma conexão diária com um amigo íntimo ou um membro da família, há um benefício adicional, com alguém em quem se apoiar. “Eles avisarão se notarem que sua memória está falhando ou se você parece mais reservado,” diz Perls, “e poderão insistir com você para procurar um médico, mesmo antes de você reconhecer, que precise de um.”
Fonte: U.S. News (
http://health.usnews.com/articles/health/baby-boomer-health/2009/02/20/10-health-habits-that-will-help-you-live-to-100.html)

domingo, 28 de março de 2010

GPS


Estava eu e uma colega de trabalho indo para um cliente nosso para uma reunião em Carapicuíba.
Cidade difícil esta: Carapicuíba.
O Google Map não ajudou muito pra calcular a nossa rota. Ele diz que tem que pegar a saída "fulano de tal" da rodovia "ciclano de tal", mas não te diz o quilômetro. Também ele nem te fala que o melhor caminho a fazer seria pela outra rodovia, ao invés desta que ele indica. Mas tudo bem. Este seria um outro capítulo !
Fomos seguindo o GPS de um celular. Ele fala. É uma mulher que fala. Ela tem a voz doce e não fala como robô, como a maioria dos GPS. Ela vai te indicando o caminho e se você entra na rua errada, ela automática e rapidamente já te recalcula a rota. E muito bem recalculado. Será?
Chuva, tempestade, enchente. Sexta-feira brava. Mas vamos indo. Parar no caminho para um confcall. Tempestade no meio do confcall. Mas iria dar tempo de chegar na hora marcada no cliente.
Se não fosse o bendito do GPS.
Bendito? Que bendito que nada! Ela (aquela moça da voz doce) nos fez virar uma rua à direita, depois outra à direita e mais uma à esquerda. E daí por diante. Quando fomos perceber, estávamos andando em círculos pela segunda vez. Isto se não andamos mais, sem notar, porque estávamos cegamente confiando naquela vozinha doce (até aquele momento somente rs). Voz doce e mentirosa, diga-se de passagem rs.
Perguntamos para cinco pessoas onde ficava a rua "beltrano de tal". Ninguém sabia. Perguntamos então pelo cliente mesmo. Ah... isto eles sabiam. Mas o que não sabiam era como chegar lá de carro. Explicações tão equivocadas quanto à de nossa amiga.
Até em ruas sem saída fomos parar rs. Mas encontramos um final feliz pra história:
Telefonamos para um colega que já estava no cliente. Ele foi nos resgatar. Nunca chegaríamos no local sem a ajuda dele, já que nem as pessoas, nem a moça com voz adocicada do GPS souberam nos informar realmente.
Minha mãe me ensinou a confiar nas pessoas. Acho que nem tanto.
Mas ela... esta voz que sai de dentro daquele celular: ela não é uma pessoa. E acima de tudo é mentirosa e equivocada rs, apesar de eu achar que ela é realmente muito bem segura de si, com aquelas afirmativas inquestionáveis.
Chegamos no cliente em baixo de tempestade. Sabe aquela tempestade que falei um pouco anteriormente? Aquela que passamos por ela? Sim... estávamos em São Paulo naquele momento.
Pois é ... ela chegou em Carapicuíba exatamente no momento que saímos do carro. Enfim... trajes ensopados para reunião, com direito a chegar com o cabelo molhado e tudo. Nem guarda-chuva adiantou.
Conclusão? Comprei um GPS decente ontem. Vamos ver a quais caminhos ele me leva por aí. Espero que por uns bons.O moço da loja que nos vendeu é de confiança: meu filho já comprou várias cositas por lá. Disse que é o melhor aparelho que ele tem. Vamos ver. Vou continuar confiando. Depois te conto rs.
Na hora em que saímos da reunião não chovia mais. Ufa. O caminho de volta? Bem mais fácil. Fomos seguindo nosso colega, que, aliás conhece bem aqueles caminhos.
Se fiquei irritada? Muitíssimo. Mas nada que fosse assim mais do que uma irritação fortíssima e relâmpago, que durasse mais do que alguns intensos segundos. Não sou de me irritar por pouca coisa, nem de ficar remoendo depois. Depois eu dei muita risada. Isso sim !
Só estava preocupada com o cliente. Mas deu tudo certo :-)
Ah... o GPS novo? Ele (na verdade este GPS tem voz de mulher também e nada tem a ver com aqueles robozinhos chatos) me falou ontem que eu estava acima da velocidade permitida. Mas eu estava numa via com velocidade máxima de 80km e esta mensagem veio aos 50km. Será que comprei outra mentirosinha equivocada? Vamos observar...
Ou talvez eu deva configurar para um outro tom de voz, hein?

segunda-feira, 8 de março de 2010

Comitê Feminino - CEVA Logistics




Com muito orgulho faço parte integrante do Comitê Feminino da CEVA.


Comemoramos isto com muito orgulho hoje, Dia da Mulher.



O objetivo de nosso Comitê é "Construir uma nova cultura que incentive o desenvolvimento e a inclusão feminina nas oportunidades profissionais, inclusive de liderança, na CEVA LATAM."



Parabéns a quem faz parte do Comitê. E parabéns a quem não faz, porque o Comitê trabalha para todas elas :-)



Parabéns às mulheres! E leiam meu texto abaixo em homenagem a todas elas.


Aqui também coloco o link onde saimos "modestamente" falando sobre ele - Diário de São Paulo:

Beijos

Dia da Mulher


A mulher moderna não tem TPM. Ela cuida disto.
Ela não arranja desculpas para não fazer isto ou aquilo.
Ela, aliás, faz várias coisas ao mesmo tempo e tem várias personalidades num só dia.
Ela se veste e reveste a cada situação. Isto tudo pra poder se ambientar com o local e tratar cada situação como ela merece ser tratada: com exclusividade e flexibilidade.
A mulher moderna cuida do trabalho, da casa, da família, dos amigos. Mas não é só isto: ela cuida muitíssimo bem de si própria.
Ela sabe como gerenciar as pessoas, lida bem com elas e com os desafios. Atinge resultados como ninguém e usa da intuição e do bom senso para fazer com que cada indivíduo do time possa colocar o melhor de si no projeto ou nas simples ou sofisticadas e elaboradas tarefas do dia-a-dia.
Algumas ainda estão em fase de aprendizado, mas a maioria já é assim.
Hoje em dia não é anormal você ouvir uma mulher falando horas e horas sobre suas diferentes tarefas em um só dia. Antigamente era.
Por isto a mulher de hoje é única: sensível, vaidosa, charmosa, cheirosa? Isto é coisa do passado. Ela é tudo isto, mas é também uma profissional super bem sucedida e em crescimento. E isto é só o começo !
E isto tudo sem deixar de ter a delicadeza e o charme do sexo, que já é tema de aprendizado e coaching de muitos homens.
Beijos a todas as mulheres e a todos os homens, porque eles têm feito muito boa parte desta igualdade disciplinada em nossas vidas :-)

terça-feira, 2 de março de 2010

O motoqueiro (*) e a senhorinha


Acho até meio absurdo escrever este título pra esta crônica, pois o motoqueiro (este motoqueiro) não tem nada em comum com a senhorinha (Dona Firmina).

Nada em comum mesmo. E acredito que nem mesmo quando o motoqueiro vir a ser um “senhorzinho”, ele poderá ter algo relacionado com ela.

Dona Firmina tão doce, simpática e cheia de vida com seus setenta anos de idade. E ele um desprendido motoqueiro sem face. Só com o capacete e a velocidade da moto 125 cilindradas.

Esta história não acontece nos bairros de extrema pobreza de São Paulo: aqueles que você morre de medo de circular a pé ou de carro, a qualquer horário. Ela se passa no Bairro do Limão, numa rua cheia de casinhas e predinhos charmosos, sem violência ou ataques.

Dona Firmina vai diariamente ao mercadinho da esquina ou à padaria ou à banca de jornal. Naquele dia, ela foi aos três lugares.

Voltava, descendo pela íngreme calçada, vagarosamente e, muito provalvemente, em um de seus momentos meditativos, sem muitas preocupações. Apenas caminhando, voltando para casa, e vez em quando elevando olhares para ver se avistava alguma amiga conhecida para trocar poucas ou várias palavras despretenciosas.

Mas não. Nada disto, nem amigas, nem palavras. Dia ensolarado de São Paulo, céu azul, rua calma, oposto do normal que acolhe vários veículos indo e vindo, subindo e descendo da tal rua.

Na esquina, prestes a atravessar a rua, olhou para um lado e, antes de olhar para o outro, levou um baque e por pouco não caiu no chão, tamanha a força que a impulsionou contra a parede de uma casa.

Um motoqueiro agarrou e levou sua sacolinha, que nada mais continha do que as chaves do apartamento dela, umas fatias de salaminho e pão para o lanche da tarde com o marido, uma revista de palavras cruzadas para manter a memória boa acesa, um celular velhinho e poucas moedas de troco.

Que susto ela levou. Apareceram vários conhecidos para checar se ela estaria bem.

Perguntando a ela sobre como está se sentindo agora, depois desta brutalidade em plena luz do dia, com excelente bom humor e experiência e sabedoria de quem já tem setenta anos de idade, responde: “Foi tão rápido: Só lembro da sacolinha enrolada no braço dele, balançando com o vento da moto. Que engraçado !”.

Engraçado? Pode ser. Triste até. Trágico e infelizmente muito real para o século 21 paulista e paulistano. Mas o que me admira realmente é o espírito dela em levar as coisas numa boa. A lembrança engraçada da sacolinha balançando ao vento. Foi isto que ficou ! O celular, o lanchinho e a revista? Ela comprou outros. E agora olha com mais cautela, evitando o motoboy por estas esquinas da cidade.
(*) Por solicitação do Jonas, meu filho, alterei "motoboy" para "motoqueiro", pois "motoboy" é uma profissão. E não é este o caso. Obrigada, Jô :-)